Sobre o blog

Músicas, Livros, Cursos, Atendimentos, Budismo e Nova Espiritualidade. Blog de Paulo Stekel com todas as novidades do seu trabalho como músico, escritor, instrutor e pesquisador da Espiritualidade Universal. Confira os livros disponíveis, seus álbuns musicais já lançados, a lista de cursos à disposição e os atendimentos. ***** Contato: pstekel@gmail.com ***** © 2014 Paulo Stekel – todos os direitos reservados - all rights reserved

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Como funciona a Cirurgia Espiritual pela Canalização

Por Paulo Stekel


Uma das perguntas que mais têm sido feitas a mim desde que comecei a trabalhar com Canalização (Channeling), especialmente com cirurgias espirituais através desta técnica, é sobre qual seria a diferença entre Canalização e Mediunidade. Mais, ainda, qual a diferença entre a cirurgia espiritual pela mediunidade espírita e a proposta pela Canalização. Este texto tem a intenção de esclarecer as dúvidas.

Do ponto de vista da Canalização, o contato que ocorre entre o Canal (channel) – que equivale ao médium no Espiritismo – é um processo telepático com consciências ou energias inteligentes vivas ou mortas pertencentes a múltiplas dimensões e de várias naturezas que vem trazer informações espirituais indispensáveis ao aceleramento da evolução da humanidade, dos indivíduos e do próprio canal. Como “canalização” é um termo relativamente novo, seu significado é pouco compreendido. Começou a ser usado nos EUA na década de 1980, apesar de ser um fenômeno tão antigo quanto a humanidade.

A mediunidade espírita tem origem no Espiritismo francês (kardecismo), enquanto a canalização vem através do espiritualismo norte-americano. Enquanto o Espiritismo francês se desenvolveu no século XIX, antes da Mecânica Quântica, o conceito de Canalização foi desenvolvido pelos espiritualistas norte-americanos no século XX, onde já estava disponível uma Ciência mais avançada, com teorias mais profundas. Assim, a explicação do que acontece quando um médium ou canal sintoniza um espírito, consciência, energia, mentor ou que nome se lhe dê difere um pouco em ambos os sistemas.

Na visão da Canalização não há a noção de um perispírito entre o corpo físico e o corpo espiritual ou espírito. Há a noção de uma parte etérica, vital, conectada ao físico, além de outros aspectos (popularmente, “corpos”, “sete corpos”, etc.) do ser consciente que constituem o todo de alguém vivo ou encarnado. No final, enquanto um médium espírita que trabalha com cirurgia espiritual diz que trabalha a doença a partir do perispírito, um canalizador trabalha a partir do campo etérico (ou “akáshico”) do paciente. Assim, em geral, na Canalização, não há cortes físicos, enquanto no caso de médiuns espíritas ele por vezes ocorre, algo que gera muita polêmica e incredulidade entre profissionais de saúde e as pessoas em geral.

Um segundo ponto de diferença entre mediunidade e canalização é que, enquanto na mediunidade espírita a comunicação se dá entre humanos e entidades encarnadas ou desencarnadas, sejam espíritos sofredores ou espíritos de luz, mas sempre da espécie humana, na canalização, embora esta categoria também se manifeste, muitas outras inteligências ou consciências mais elevadas podem se manifestar. Apenas para citar algumas: anjos; elementais; devas de cura; Mestres e seus discípulos; consciências minerais, vegetais e animais; consciências de planos ou mundos paralelos; consciências cósmicas (incluem os extraterrenos, intraterrenos, etc.); consciências sem forma (que nunca encarnaram, não são mortas, mas existem em um nível incompreensível para nós).

O terceiro ponto de diferença é que, enquanto na visão da mediunidade se fala em termos como incorporação, ocupação, “receber” ou “baixar” uma entidade, espírito, mentor, etc., na canalização o termo mais adequado é “sintonização” de uma consciência do mesmo modo como sintonizamos uma determinada frequência de rádio. Na época de Kardec esta visão não existia, e a explicação de que ao receber um espírito um médium tem seu perispírito afastado é um resquício do materialismo do século XIX no qual dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço. Ao aplicarmos a visão quântica ao processo, entendemos que a mente é um fenômeno não-local, de modo que, quando uma outra consciência usa nossa mente e nosso cérebro para se comunicar, isso ocorre em um nível não-local, de modo que nada entra, ocupa ou incorpora – apenas é sintonizado. O nível de aprofundamento desta sintonização é que vai explicar os graus de consciência e de alteração de personalidade no canal quando o mentor se manifesta nele. Na verdade, em outras palavras, o processo ocorre por meio da mente supra-consciente do canal, o seu Eu Superior como dizem alguns. De qualquer forma, a visão da canalização não é a de que o canal, como no caso do médium, seja um instrumento passivo sob as mãos dos seus mentores. A coisa funciona mais como uma equipe em ação, em que ambos os lados são beneficiados, mais a humanidade inteira, no final.

Na visão da Canalização, Allan Kardec (século XIX) era um canalizador, assim como o americano Edgar Cayce (primeira metade do século XX). Nas décadas de 1970 e 1980 surgiram vários canais nos EUA, o que tornou o fenômeno mais conhecido. Alguns exemplos: Jach Pursel e seu mentor chamado Lazaris, Jane Roberts e Seth, Pat Rodegast e Emmanuel, James Hurtak e Ophraim Enoch, Eva Pierrakos e O Guia, Ken Carey e as inteligências espaciais do livro “As Transmissões da Estrela-Semente”, Hellen Schucman, “A Voz” de Um Curso em Milagres (Mestre Jesus) e, mais recentemente, Lee Carroll e seu mentor Kryon.

A capacidade de Canalização, ainda que possa ser desenvolvida em praticamente todas as pessoas, muitas vezes, é uma missão assumida antes do reencarne, manifestando-se com intensidade em alguma fase da vida – em alguns casos, já na tenra infância, como é o caso do meu trabalho com o mentor Danea Tage (a partir dos nove anos de idade). É importante esclarecer que o trabalho com a canalização com mentores é e deve ser um trabalho de luz, ou seja, de ajuda (em vários níveis) e de esclarecimento da humanidade no sentido de sua evolução espiritual. Assim, um clarividente pode conseguir ver apenas o objeto físico aumentado (em nível microscópico e até atômico), ou ainda sua contraparte etérica (a energia vital sutil que permeia o corpo físico), ou sua parte emocional e até níveis mais profundos sobre os quais nem nossa Ciência teria como compreender.

Diante destes esclarecimentos sobre a diferença entre mediunidade e canalização, a compreensão do processo conhecido por cirurgia espiritual também vai mudar.

Na visão espírita, cirurgias espirituais são procedimentos para curar o espírito e, por tabela, o corpo físico via perispírito (uma espécie de “aura” que se interpõe entre o físico e o espiritual), onde se refletem as alterações causadas por nossos desequilíbrios éticos e morais. Então, um médium de cura incorpora um mentor médico e este trata o paciente a partir de seu perispírito, o que vai acarretar numa melhora do físico, onde tudo se manifesta como consequência cármica. Começando por uma ou mais sessões de passe, o tratamento pode incluir desde mudança nos hábitos de vida, na alimentação, até a cirurgia propriamente dita, que pode culminar em cortes com instrumentos, em alguns casos. A maioria dos médiuns usa apenas as mãos, outros bisturis (também facas de cozinha, tesouras, etc.), mas em geral, escondem o fato de realizar cortes, quando o fazem. De qualquer forma, tumores e outros problemas físicos parecem ser eliminados, nos casos verdadeiros, via psicocinese (a capacidade mental de movimentar objetos de um lugar a outro).

Na visão da Canalização, os canais servem de instrumento para mentores médicos dos níveis espirituais, fazendo tratamento etérico de doenças físicas, mentais, astrais, psíquicas e emocionais. Em geral, não são feitos cortes no corpo físico. Neste caso, não se trata o perispírito, mas o plano que origina o problema (nível etérico, mental, etc.). Tudo começa com um ou mais passes de limpeza e, logo após, de energização, feitos por mentores. Após uma conversa com o paciente, o mentor, se for necessário, começa a fazer a cirurgia espiritual utilizando-se das mãos ou mesmo de um objeto com ponta (faca, ponteira, adaga, etc.), mas sem cortar realmente. No final, descarrega toda a energia negativa do paciente e informa quantas vezes mais será necessário o trabalho com cirurgia presencial, ou se apenas cirurgia à distância complementar será suficiente.

Especificamente este é o trabalho de cirurgia espiritual através da Canalização Espiritual realizado por meu mentor Danea Tage há vários anos e por alguns outros que se apresentam quando necessário. Um trabalho difícil – devido ao preconceito e ao desconhecimento –, mas muito útil e necessário num mundo doente em todos os níveis...

sábado, 11 de junho de 2016

Grupo "Canalização (com Paulo Stekel)" no Facebook

Participem!!!


Pessoal, agora temos um meio de nos comunicarmos melhor: criei o grupo "Canalização (com Paulo Stekel)" no Facebook. Podem ingressar e adicionar seus amigos e amigas interessados no tema à vontade, ok? Aqui está o link:

https://www.facebook.com/groups/1012972562143405/

 _/\_