Sobre o blog

Músicas, Livros, Cursos, Atendimentos, Budismo e Nova Espiritualidade. Blog de Paulo Stekel com todas as novidades do seu trabalho como músico, escritor, instrutor e pesquisador da Espiritualidade Universal. Confira os livros disponíveis, seus álbuns musicais já lançados, a lista de cursos à disposição e os atendimentos. ***** Contato: pstekel@gmail.com ***** © 2014 Paulo Stekel – todos os direitos reservados - all rights reserved

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

O que é Cabala - uma introdução

Por Paulo Stekel



Uma Tradição é um conjunto de cultura, usos e costumes de uma determinada cultura, civilização, religião, etc.

Uma Tradição Espiritual é um conjunto de ensinamentos relativos a determinada crença, fé ou religião.

Uma Tradição Mística é um conjunto de ensinamentos espirituais de uso mais reservado, restrito, destinado a um círculo mais seleto.

Neste último sentido, Cabala é uma Tradição Mística, enquanto o Judaísmo, onde ela foi expressa, é uma Tradição Espiritual. A religião judaica compreende o aspecto externo, “exotérico”, desta espiritualidade. A Cabala compreende o aspecto interno, “esotérico”, da mesma espiritualidade. O aspecto externo se baseia no dogma e na crença, onde nada pode ser mudado, apenas aceito. O aspecto interno se baseia na experiência mística, a experiência do próprio praticante no silêncio de seu coração, experiência esta que pode envolver recitação, oração e meditação. Vemos isso em várias tradições. A Cabala não é diferente.

A palavra Cabala, originalmente em Hebraico, QBLH – se translitera Qaballah e se lê “cabalá”, provém do verbo hebraico Qibbel ("aceitar, receber, tomar algo") e, neste sentido, significa Tradição. Assim, Cabala era, no início, uma tradição espiritual dos hebreus que vinha desde Moisés, sendo oral, passada de pai para filho (e de mestre para discípulo) ao longo dos séculos. Antes de ser chamado de Cabala, o estudo dos Mistérios da Torah (A Lei judaica consignada nos cinco primeiros livros da Bíblia, o Pentateuco), foi conhecido pelo nome de Mistorin (“mistérios”, uma corruptela do grego mysterion).

Em princípio, a Cabala (esta é a forma da palavra em português) versa sobre os cálculos místicos com os nomes e as letras (Cabala Simbólica), as Hierarquias de Anjos e Demônios e a transmigração das almas (Cabala Dogmática), as Sefirot, a Árvore da Vida e a Divindade (Cabala Metafísica). O ensinamento tradicional da Cabala é ao mesmo tempo Histórico, Moral e Místico.

Outra forma de definir do que trata a Tradição Mística da Cabala é através do Trinômio Deus – Homem – Natureza.

Deus (Mente Cósmica, Absoluto, Áyin, Divindade)
Δ
Natureza (Criação)                         Homem (Consciência)

A relação entre Deus e a Natureza trata da Criação do Universo (Ma'assê Bereshith – a Obra da Criação); a relação entre Deus e o Homem trata da Redenção (Ma'assê Merkavah - a Obra do Carro Celeste, o retorno ou ascensão ao Pai); a relação entre a Natureza e o Homem é a vida no mundo, o qual pode ser desfrutado, conhecido, controlado, modificado e adaptado pelo Homem, se tiver conhecimento de como fazê-lo. É nesta terceira relação que está a Magia Cabalística (Teurgia e Goetia), também chamada Ars Magna (A Grande Obra) e o uso da Numerologia para invocar aspectos divinos em nossa vida, para torná-la mais harmônica.


A Cabala não é uma fonte exclusivamente judaica. Historicamente, há provas suficientes de, pelo menos, cinco fontes de seu conhecimento: uma fonte egípcia (via Moisés), uma fonte Hebréia (via Patriarcas e Reis no período dos Reinos de Israel e Judá), uma fonte Babilônia (via Esdras durante o Cativeiro), uma fonte grega (influência da Filosofia em geral e do Pitagorismo em particular) e, quiçá, uma fonte árabe (especialmente a alquimia árabe). Assim, entendemos que a Cabala tem um quê de universalidade que casa bem com o gosto moderno pela integração dos conhecimentos. O pano de fundo da Cabala é judaico, mas seu conhecimento é universal!

Nenhum comentário:

Postar um comentário