Sobre o blog

Músicas, Livros, Cursos, Atendimentos, Budismo e Nova Espiritualidade. Blog de Paulo Stekel com todas as novidades do seu trabalho como músico, escritor, instrutor e pesquisador da Espiritualidade Universal. Confira os livros disponíveis, seus álbuns musicais já lançados, a lista de cursos à disposição e os atendimentos. ***** Contato: pstekel@gmail.com ***** © 2014 Paulo Stekel – todos os direitos reservados - all rights reserved

domingo, 27 de novembro de 2016

Como vencer medos à beira do precipício

Por Paulo Stekel


Advertência! Antes de ler, sigam à risca a velha recomendação: não façam isso em casa, crianças!!! Os relatos contidos no texto não são uma apologia ao risco, embora ele permeie a vida humana o tempo todo e, por vezes, devamos nos servir de métodos pouco ortodoxos para enfrentar medos. Que cada um meça a sua loucura e siga até onde necessário para encontrar-se neste vasto universo.

Quando tinha 13 anos, meu medo de altura me impedia de seguir meu irmão do meio, 11 meses mais novo que eu. Ele era meio aloucado desde novinho, e a altura não lhe era problema. Sempre desafiou a vida, às vezes sem medir consequências, até morrer em um incêndio, em 2012. Na época dos meus 13 anos, íamos todos os finais de semana fazer trilhas nas montanhas da Serra Geral em Santa Maria e Itaara (hoje uma cidade emancipada no RS) e, não poucas vezes escalamos paredões e nos embrenhamos na mata sem qualquer conhecimento prévio, à cata de cachoeiras e lugares de difícil acesso, guiados apenas por nossa intuição e paixão pela natureza.

Mas, até isso ser possível, tive que vencer meu medo de altura. Havia um prédio em construção na mesma quadra de casa, no centro de Santa Maria. Tinha uns cinco andares e estava só no esqueleto, recém erguido. Então, as bordas do último andar não possuíam qualquer contenção ou segurança. Meu irmão invadia o prédio e se equilibrava nas bordas sem o menor receio de cair. A autoconfiança dele parecia evocar um poder. Resolvi testar. Mas, como bom virginiano (ele era leonino), fui tateando cada passo, até perceber que o segredo era não olhar para baixo com atenção na altura e também me concentrar a ponto de sentir o prédio como parte de mim. Assim, fui até o fim do percurso sem nenhum acidente, nem medo. Sentia a altura, o frio na barriga, o vento e isso acabou por me dar prazer. Um misto de respeito, atração e um medo subliminar como medida de segurança. Escaladores relatam estas mesmas sensações, em geral. Enfrentar os medos requer um pouco de risco, sim. Não imprudência completa, loucura ou achar que nada vai acontecer de ruim. A realidade é dura. O mundo é inconstante, incontrolável e impermanente.

Entre meus 13 e 18 anos, eu e meu irmão saímos quase todos os finais de semana para as montanhas, em busca de lugares novos, desafios, paisagens lindas e um contato maior com a natureza. Escalamos paredões de antigas pedreiras nesta época. As pedreiras são relativamente perigosas, por causa das pedras soltas. Mas, felizmente, nunca tivemos quedas sérias. Meu pai só ficou sabendo do que fazíamos aos finais de semana quando eu atingi a maioridade. Como ele mesmo disse, já que nunca voltamos de maca para casa, estava tudo bem...

Por volta dos meus 23 anos, passei por outra experiência com altura. Estava numa situação complicada de romance com uma pessoa que, apesar de ter uma inteligência privilegiada (era um superdotado, com QI muito acima da média), tinha vários problemas emocionais causados, entre outras coisas, pela evidente homofobia do pai, que achava que poderia impedi-lo de expressar sua orientação sexual por meios de reversão (ele tentou até Rebirthing {Renascimento} para isso!), o que, obviamente, não obteve sucesso.

Num momento em que o objeto de meus sentimentos entrou numa fase meio suicida, resolvi usar um método que minha intuição me fizera acessar em um instante. Levei-o até o precipício do paredão que eu mesmo já escalara várias vezes e o conduzi até a beirada. Lá, o fiz pensar sobre o equívoco de se recorrer ao suicídio, quando a vida possui tanto para se ver, sentir, ouvir e vivenciar. Então, disse-lhe: se você pular, eu pulo com você e morremos os dois, pois não vou largar o seu braço. Esta atitude fez ele pensar na existência do outro e o quanto os pensamentos suicidas escondiam um egoísmo angustiante. Após o insight, ele se afastou da borda e se sentou como se tivesse tirado toneladas de sobre os ombros.

Poucos anos depois, um amigo que também escalava comigo, mas que era muito mais jovem e imprudente, sofreu um acidente sério numa escalada. Eu o conduzia pelo binóculo e percebi que por determinado lado era bem mais perigoso. O avisei, mas ele mesmo assim quis ir por ali. Sob risco, a teimosia pode ser muito mais perigosa. Ele caiu por uns cinco a sete metros e conseguiu se segurar em um arbusto, quase rasgando a virilha. Como estava num ponto em que não poderia voltar, apenas subir mais, teve que completar a subida mesmo ferido e fazer a volta para descer. A adrenalina ajudou, pois ele aguentou até descer e, quando chegou à minha frente e das pessoas que viam tudo de baixo, desmaiou por alguns instantes, extenuado. Nunca mais escalou. Eu mesmo, escalei poucas vezes depois.

Numa de minhas últimas escaladas, fui atacado por formigas bem no meio do percurso. Onde estava, mal podia me movimentar. Espernear, era queda na certa. Eu sempre escalei sem equipamentos. Então, o perigo era bem maior. Ao lado, um pessoal fazia rapel e perguntou se eu precisava de ajuda. Disse que não. Mesmo sendo mordido por elas, entrei em processo de meditação, algo que já tinha aprendido, e consegui suportar a dor como nunca, até subir um pouco mais e conseguir retirar as formigas grudas em minhas mãos e braços, já avermelhados. Respirei fundo, e consegui. Se me apavorasse, seria o fim. Mas, nesta época, o medo de altura não me era mais problema, e a tolerância à dor através da respiração e meditação era uma técnica que estava testando.

Eu devia ter uns 28 anos quando fui chamado por um amigo para conversar com uma parente de sua mulher que tentara se jogar do alto do prédio naquela manhã. Ela devia ter uns quarenta e poucos anos, e eu perguntei o que teria a dizer a alguém bem mais velha, professora, diretora de escola, com mestrado, etc. Ele disse que apenas sentia intuitivamente que eu poderia dizer alguma coisa que a fizesse recobrar a sanidade. Ela tentara jogar-se do alto do prédio e, na hora derradeira, a empregada da casa a agarrou pelas pernas e impediu que ela morresse. Ou seja, ela realmente estava se suicidando! Desde então, ela não deixou mais ninguém entrar no quarto, nem um psiquiatra. Pensei que não teria a menor chance de entrar e lhe falar.

Quando a porta se abriu, e ela viu aquele rapaz de 28 anos com cara de 18, nada ameaçador, resolveu aceitar conversar comigo. Sentei com ela e conversamos por uma hora sobre crenças, religião, Deus, Buda, ela me falou da vida de casada, da escola. Seu marido tinha amantes e gastava muito dinheiro com elas. Quando ela pediu a separação, ele ameaçou lhe tirar a filha e fez várias chantagens, tornando a vida desta mulher um inferno. Ela surtou.

Depois de ouvir o relato atentamente, lhe perguntei: o que você sentiu quando se atirou pela janela hoje pela manhã? Não teve uma sensação de liberdade? De desapego total? Sim, pois, para se matar, uma pessoa abdica de tudo, dos problemas, das pessoas odiadas, das amadas, e até da própria vida e da noção do eu.

Ela concordou comigo. Sentira tudo isso. Então, lhe desafiei: se você se desapegou de tudo quando se atirou, por que deveria pegar tudo de volta agora?

Como assim?, ela perguntou.

Simples, respondi. Se você se desapegou de tudo, de seu marido, da filha e do seu trabalho, que eram fontes de estresse, mesmo não tento morrido, porque a empregada a salvou, por que você teria que pegar isso tudo de volta com todo o seu peso? Mantenha-se sem o peso do apego. Mude o inferno de lugar!!! Ou se atire por esta janela novamente – abri a janela e lhe dei a opção.

Ela teve o insight, e não se atirou, pois entendeu o poder que tinha dentro de si. Ela tinha se permitido fragilizar, e tinha a opção de se fortalecer. Enfrentou o marido com unhas e dentes, se separou, ficou com a guarda da filha, voltou a trabalhar na escola e começou a estudar a espiritualidade. Um ano depois, me ligou para agradecer a ajuda e dizer que tinha se tornado uma outra pessoa. Lera livros, começara a fazer cursos de Reiki, terapias, etc., e estava vendo a vida de uma outra forma. Vencera o medo de viver.

Vencer os medos requer assumir riscos. E, riscos, não podem ser cem por cento controlados. São como cirurgias. Por mais simples que sejam, sempre há um risco. Há risco em viver, risco em amar, risco em atravessar a rua, risco em interagir com o outro. Enfim, a vida é um risco e todos nós, que ainda estamos vivos, somos, de alguma forma, heróis.

Meu desafio mais recente foi aprender a nadar. Passei 44 anos de minha vida sem o saber. Escalava paredões, mas não nadava. Meu falecido irmão era um exímio nadador. Fiz natação por um ano e resolvi este medo de não sentir os pés na areia quando mergulhava. O elemento que me faltava foi integrado a meu ser... Moro numa ilha mágica – Florianópolis – e tenho uma mescla do que já vivenciei ao longo da vida: montanhas, rios, altura, praia e muita meditação.

Ao nos vermos à beira dos precipícios da vida, este é o momento exato em que devemos perder os medos, enfrentá-los, e bem ao estilo “se der medo, vai com medo mesmo”. Sem o reconhecimento dos próprios limites, o ego não se libera e não é possível que brote a coragem, a energia necessária para o ato de libertação. Nossos medos, quando vistos como propulsores, podem nos conduzir a grandes realizações. Foi a lição que aprendi até aqui, enfrentando meus próprios medos à beira dos meus precipícios. Permita-se apreciar seus precipícios e contemplá-los como paisagens deslumbrantes. Sentir o cheiro de liberdade é algo muito precioso. Vencer o medo é um modo de iluminação.



Nenhum comentário:

Postar um comentário