Sobre o blog

Músicas, Meditação, Livros, Contos, Roteiros, Vídeos, Cursos, Atendimentos, Budismo, Mantras, Canalização, Natureza e Nova Espiritualidade. Blog de Paulo Stekel com todas as novidades do seu trabalho como músico, escritor, instrutor e pesquisador da Espiritualidade Universal. Confira os livros disponíveis, seus álbuns musicais já lançados, a lista de cursos à disposição e os atendimentos. ***** Contato: pstekel@gmail.com ***** © 2018 Paulo Stekel – todos os direitos reservados - all rights reserved

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

[VIA INSTA] Sendo como o espaço

[VIA INSTA] Trilhar e Meditar

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

[VIA INSTA] Refúgio e Bodhicitta

[VIA INSTA] Ouvindo sons puros

[VIA INSTA] Uma mente relaxada

domingo, 19 de fevereiro de 2017

[VIA INSTA] A vida que vale a pena

[VIA INSTA] Livros digitais de Stekel

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

[VIA INSTA] Afastando-se de falsos mestres

Quando você se afasta de falsos mestres, pessoas que atingiram menos que você e que demonstram menos ética e compaixão até pelos próximos, apesar de um treinamento visivelmente maior que o seu, saiba que o Dharma se renova dentro de si, pois está seguindo um dos últimos ensinamentos do Buda: seja seu próprio mestre, não acredite em nada porque alguém lhe disse, teste o ensinamento e o confirme, senão, conteste. O próprio Buda se afastou de muitos mestres antes de atingir o Despertar Definitivo. Se algo não encontra eco em seu coração, não deve ser admitido. Eis uma reflexão importante que todos devemos fazer. Eu a tenho feito diariamente. Você tem sido seu próprio mestre ou é uma fraude tanto quanto aqueles dos quais se afastou? Continue praticando com humildade e diligência e encontrará a resposta. Se não gostar dela, mude-se completamente! Sarva Mangalam! #buda #budismo #dharma #buddha #buddhism #buddhadharma #pensamentobudista #reflexãobudista #mestres #masters #mestredesimesmo #pontadogoulart #floripa #florianopolis
Uma publicação compartilhada por Paulo Stekel (@pstekel) em

[VIA INSTA] Efemeridade

[VIA INSTA] Impermanência e Renovação

Uma publicação compartilhada por Paulo Stekel (@pstekel) em

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

[VIA INSTA] Autenticidade

[VIA INSTA] O que importa é o caminho

Quando você deixa para trás uma vida insatisfatória e resolve mudar de uma só vez, abdicando e desapegando de todos os fardos, não há nada que lhe faça voltar atrás. Acumulamos tantas coisas desnecessárias ao longo da vida e achamos que elas representam algo importante ou que nos fazem importantes. Não! O que nos faz importantes, úteis e benéficos à humanidade e aos seres em geral é a capacidade de amar, de nos importarmos, de nos colocarmos no lugar do outro e adentrar em seu sofrimento sem sermos engolfados por ele. Só assim pode surgir a verdadeira compaixão que libera a todos do sofrimento temporário e do definitivo. Até lá, há muito caminho pela frente. Mas, no final, a única coisa que realmente importa é o caminho, não o destino final. Um Buda não é um privilegiado. É um ser humano realmente "curtido" na vida. #pensamentos #pensamentosespirituais #dharmavivo #dharma #buda #buddha #buddhism #changinglife #changingmind #changing #consciência #consciousness
Uma foto publicada por Paulo Stekel (@pstekel) em

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

[CAMINHOS DO DHARMA 11] Mente e Consciência

Por Paulo Stekel



No Budismo, a relação da Mente com a Realidade interfere completamente no modo como se vai definir consciência. Mas, não são apenas conceitos? Sim, são conceitos. Portanto, são provisórios, relativos, encaixam-se no que se chama de Verdade Relativa. São percepções provisórias de algo que se supõe ter alguma realidade absoluta em algum nível, com certeza não-racional.


Ao definir Consciência nos perguntamos quem tem consciência de quê. Assim, antes da Consciência, vem o ente consciente. A mente é este ente? Mas, o Budismo diz que tudo é “vazio” de existência inerente. Então, esta mente como ente da consciência não existe por si mesma. Se a consciência é algo como uma propriedade de uma mente e esta mente também é dependente de algo, ela também é parte de algo que não estamos percebendo conceitualmente. As conclusões budistas sobre esta questão são realmente muito complexas e, por vezes, parece que estamos num jogo de cabra-cega. Transpor a subjetividade do estado de meditação para a racionalidade do discurso realmente complica as coisas e só nos traz um pálido reflexo do que foi acessado no estado meditativo. Isso é inegável!

[Trecho do livro "Caminhos do Dharma", de Pema Dorje/Paulo Stekel, a ser lançado em breve]

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

[VIA INSTA] Horizontes sem controlador

[VIA INSTA] O propósito da vida